Marina Macambyra

Marina MacambyraComo fui parar na ECA e nunca mais saí? Bem, como a maioria dos jovens de 17 anos que precisam escolher a futura profissão, eu era tonta e não sabia muito bem o que fazer da vida. Para piorar, morava no interior e era pobre. Hoje moro em São Paulo, continuo na ECA, tonta e pobre, mas o tema não é esse.

Optei pela ECA porque só conseguiria estudar em universidade pública e em São Paulo, porque odiei cada minuto que passei no interior. E a ECA, além de ter alguns cursos que me interessavam, como Biblioteconomia, Jornalismo e Cinema, oferecia a possibilidade de adiar um pouco a escolha final. Na época, a gente prestava vestibular para a ECA e escolhia o curso no segundo semestre. Acabei optando por Biblioteconomia, sobretudo devido ao mercado de trabalho. Bibliotecários conseguiam trabalho com facilidade, até mesmo antes de concluir o curso. Pagar bem, não pagava, mas isso era outra história. Jovens não pensam muito em aluguel, convênio médico e conta de luz, até que essas coisas batam em sua porta. Na época, pelo menos, não pensavam.

Marina MacambyraE como foi que acabei ficando na ECA? Começou quando, ao passar pelo corredor do primeiro andar, vi uma porta com a placa “Filmoteca” e pensei que seria um lugar bacana para trabalhar. Tempos depois, me ofereceram justamente esse posto. Pagava menos do que eu pagaria para uma faxineira, se tivesse uma, mas parecia legal. E até que foi. Para uma bibliotecária que não gosta lá muito da profissão, trabalhar com acervos de filmes, música e imagens era mais estimulante, e jamais encontrei outro emprego onde pudesse fazer isso e receber um salário no final do mês. Claro que, depois de 38 anos e muitas greves, o salário deu uma melhorada. Agora piorou de novo, mas acho que não vou durar muito mais. Hoje sou bibliotecária de referência da Biblioteca da ECA, aquela pessoa que ajuda o pessoal nas pesquisas e, ao contrário da lenda, não faz “psiu” para pedir silêncio.

Ex-aluno Turma Curso
Marina Macambyra 1979 Biblioteconomia
Bibliotecária da ECA desde 1983

 

Compartilhe
There are 2 comments
  1. Teresa da Silva

    A Marina Macambyra é modesta! O documentário sobre o Jean-Claude Bernardet Inclui o nome dela nos agradecimentos. Deve ter ajudado muito.

    • pauta_agora_eca

      Oi Teresa! Que incrível! Obrigada pela informação! Você estudou na ECA também?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × um =