Silvia Bittencourt

Silvia Bittencourt

Não foi uma decisão difícil. Além de gostar muito de escrever, meus pais sempre foram grandes leitores de jornais. Cresci me deparando diariamente com um exemplar da Folha e outro do Estadão abertos na mesa do café da manhã. O Brasil vivia uma ditadura e isto sempre foi um tema em casa. Eu tinha dez anos quando minha mãe me levou para a missa na Catedral da Sé em memória de Vladimir Herzog, assassinado pela repressão em outubro de 75. Só anos depois fui entender o significado daquela multidão silenciosa reunida do lado de fora e o valor de conceitos como liberdade de manifestação, de expressão e de imprensa. Estes temas marcaram minha formação.

O teste vocacional que fiz no colegial foi ao mesmo tempo óbvio e taxativo: Jornalismo ou Direito. Direito seria a opção mais cômoda, pois venho de uma família de juízes e advogados. Mas sabia que, com o jornalismo, não decepcionaria ninguém. Meu avô Edgard, jurista, havia sido colunista da Folha até ser cassado em 1964 e meu pai, antes de virar juiz, repórter do jornal no final dos anos 50. E eu também tinha o meu querido tio Júnior, mais conhecido como Reali Jr.. Em Paris, “direto das margens do Sena”, ele trabalhava como correspondente para a Jovem Pan e o Estadão. Foram muitos os papos com ele sobre jornalismo.

Ao prestar vestibular, não sabia quase nada da ECA. Só sabia que queria estudar jornalismo _e de preferência na USP, como o resto da família. Depois de aprovada, logo fui ao campus conhecer a minha futura faculdade. Era fim de tarde e não havia ninguém lá. Confesso que estranhei um pouco aquele prédio enorme de concreto com elementos vazados na fachada, o gramado mal cuidado na frente, os caminhos sombrios que ligavam um bloco ao outro e estes à lanchonete na parte de trás. Nem imaginava que daquele lugar pudessem sair tantos projetos legais, tanta discussão e conversa boa. Sem falar das amizades, que se tornariam tão importantes na minha vida. Mas isso já é tema pra outra conversa.

Ex-aluno Turma Curso
Silvia Bittencourt 1983 Jornalismo

Compartilhe
There is 1 comment
  1. […] Silvia Bittencourt, da turma de Jornalismo da ECA de 1983, acaba de traduzir do alemão para o português “O livro do xadrez”, de Stefan Zweig (Fósforo). Trata-se de uma nova tradução de uma joia literária de Stefan Zweig que combina o jogo de xadrez às experiências da guerra e do confinamento. Última obra de Zweig, “O livro do xadrez” foi escrito durante seu exílio no Brasil e enviado ao editor americano poucos dias antes do suicídio do autor em 1942. É o único texto em que o escritor austríaco de origem judaica aborda diretamente o nazismo. A história já rendeu duas adaptações para o cinema (Schachnovelle, 1960 e 2021) e inspirou peças de teatro e até uma ópera. […]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

doze − 5 =